Você está aqui Desporto CAN 2010  

Técnico da selecção nacional de futebol, pediu desculpas ao povo angolano pelo afastamento dos Palancas Negras da Taça de África das Nações

Segunda, 25 Janeiro 2010  

mjeO técnico da selecção nacional de futebol, o português Manuel José, pediu desculpas ao povo angolano pelo afastamento dos Palancas Negras da Taça de África das Nações Orange-Angola2010, após derrota, hoje, de 0-1, diante da similar do Ghana, no primeiro desafio dos quartos-de-final.

O treinador, que falava em conferência de imprensa no Estádio Nacinal 11 de Novembro, em Luanda, palco do desafio, disse que o povo angolano foi muito carinhoso com a selecção nacional durante a preparação e na competição.

"Fomos bem acompanhados e acarinhados, por isso, este povo merecia muito mais, mas nesta fase do campeonato deve haver sempre um vencedor para definir as posições finais" - explicou o seleccionador.

Manuel José, entretanto, disse sair de cabeça erguida nesta prova, pelo esforço  que os jogadores fizeram durante a primeira fase e neste jogo frente aos ghanenses.

O técnico dos Palancas Negras indicou que o golo madrugador dos Black Stars também terá influenciado negativamente no desempenho dos seus atletas, já que a equipa adversaria fechou-se completamente para impedir o progresso dos angolanos.
O golo foi um tónico para o Ghana, que aproveitou bem aquela oportunidade e marcou. Criamos mais oportunidades que os nossos opositores, mas eles souberam gerir da melhor forma a vantagem" - reconheceu.

O responsável da equipa técnica angolana realçou ainda que as ocasiões criadas no segundo tempo não foram bem aproveitadas, pelo menos para chegar ao empate. "Faltou-nos sorte para concretizar o nosso sonho que era melhorar o lugar alcançado na edição anterior no Ghana 2008" - salientou.

Quanto ao seu futuro no comando da selecção nacional, disse que o seu contrato termina apenas em Junho. "Cumprimos com o nosso primeiro objectivo que era melhorar a posição anterior. Antes dizia que se Angola não passa-se a primeira fase me demitiria. Mas não o faço porque fizemos o que pretendíamos" - rematou.

Manuel José viaja esta noite a Portugal para assistir às exéquias fúnebres do seu pai, que faleceu hoje, domingo, naquele país europeu aos 94 anos de idade.