Você está aqui Desporto Mundial 2010  

Uruguai encerra jejum de vitórias em Copas e complica os Bafana Bafana do sonho

Quarta, 16 Junho 2010  
ghanaCom dois gols de Forlán, Celeste faz 3 a 0 na África do Sul, que agora tem de vencer a França para manter chance de classificação às oitavas de final.

O Uruguai empurrou a África do Sul para bem longe do sonho de passar às oitavas de final da Copa do Mundo em casa. Com dois gols de Diego Forlán e um de Pereira, a Celeste bateu os Bafana Bafana por 3 a 0 nesta quarta-feira, em Pretória, acabou com um jejum de vitórias em Mundiais que durava desde 1990 e assumiu a liderança do Grupo A.

Para passar de fase, o time de Carlos Alberto Parreira tem que vencer a França na última rodada e ainda torcer por outros resultados.

Nesta quinta, os franceses pegam o México, às 15h30m (de Brasília), em Polokwane. As duas seleções têm um ponto, assim como os sul-africanos. O Uruguai soma quatro em duas rodadas. Na próxima terça, os Bafana fazem o desafio decisivo com a França, em Bloenfonteim, às 11h (de Brasília). No mesmo dia e horário, México e Uruguai se enfrentam em Rustemburgo.

A Celeste não vencia uma partida de Copa do Mundo desde 1990, quando encerrou a primeira fase com 1 a 0 sobre a Coreia do Sul. Depois foram duas derrotas (uma em 90 e outra em 98) e três empates (dois em 98 e um em 2006).

Carlos Alberto Parreira e a África do Sul seguem sem quebrar seus tabus. O treinador, que está no sexto Mundial pela quinta seleção diferente, só tem vitórias no comando do Brasil. E os Bafana continuam com apenas um triunfo na história da competição: 1 a 0 sobre a Eslovênia, em 2002 (oito partidas, uma vitória, quatro empates e três derrotas).

Os gols de Forlán saíram aos 24 do primeiro tempo, em um belo chute de fora da área, e aos 35 do segundo, de pênalti. Pereira marcou de cabeça aos 50, no último lance da partida. O destaque da partida foi o uruguaio Suarez, que criou as melhores jogadas da equipe e sofreu com faltas dos adversários, chegando a sangrar dentro do gramado. O goleiro Khune foi expulso por cometer a penalidade no camisa 9 uruguaio. O velho problema de força ofensiva da África do Sul voltou a aparecer: a primeira defesa do goleiro Muslera só foi feita aos 23 do segundo tempo.

O jogo

Bem montado e com defesa sólida, o Uruguai começou melhor e teve três chances nos dez primeiros minutos. No ataque, Luis Suárez e Forlán criavam as melhores jogadas. Aos quatro, o camisa 9 deu um chapéu no zagueiro sul-africano e sofreu falta. Forlán cobrou duas vezes (na primeira, Pienaar se jogou na bola e levou cartão amarelo), mas parou na barreira. Aos sete, belo lance: tabela dos dois, Suárez entrou pela esquerda e chutou para fora.

Os Bafana só deram sinal de vida aos 13. Autor do primeiro gol da Copa com um chutaço contra o México, Tshabalala bem que tentou de novo, mas mandou longe da baliza. Dois minutos depois, o 8 sul-africano arriscou outra, mais uma vez sem mira.

Aos 24, Forlán mostrou como se faz. O camisa 10 da Celeste recebeu sozinho e chutou de fora da área. A bola bateu em Mokoena, encobriu o goleiro Khune, raspou no travessão e entrou. Golaço, o primeiro do Uruguai na Copa do Mundo.

O gol abalou a África do Sul, que não conseguia chegar perto do goleiro Muslera e ainda falhava na defesa. Aos 32, a zaga deixou a bola nos pés de Suárez, que driblou um rival pela esquerda e bateu, mas na rede pelo lado de fora.

As vuvuzelas acordaram aos 39, quando os Bafana tiveram sua melhor chance para empatar: cruzamento de Modise da direita, Mphela tocou de cabeça e a bola saiu rente à trave de Muslera.

Celeste amplia de pênalty

O Uruguai continuou melhor no segundo tempo e por pouco não ampliou o placar. Logo aos três minutos, Suarez cruzou da esquerda, mas Cavani chegou desequilibrado e tocou para fora. Dois minutos depois, o sempre perigoso Suarez entrou pela direita, driblou Khumalo e caiu. O árbitro não deu pênalti.

Aos oito, Lugano recebeu cruzamento e furou de cabeça, a bola bateu nas costas do capitão e saiu. Logo em seguida, Parreira tirou o volante Letsholonyane e colocou o meia Moriri. O time ficou mais ofensivo e passou a chegar, finalmente, perto do goleiro uruguaio.

Aos 20, Gaxa cruzou e Mphela, de cabeça, tocou para fora. Três minutos depois, a primeira defesa de Muslera: Modise chutou fraco de fora da área, no meio do gol, e o camisa 1 uruguaio pegou sem problemas.

A vida dos Bafana piorou aos 30. Suarez tentou duas vezes na área. Na primeira, Khune defendeu. Mas a bola voltou para o camisa 9, que driblou o goleiro e foi derrubado. Pênalti e cartão vermelho para Khune, que saiu desolado de campo. Parreira foi obrigado a tirar Pienaar e colocar Josephs no gol. Forlán cobrou aos 30, no alto, e marcou: 2 a 0.

Quando a torcida sul-africana já deixava o estádio, ainda houve tempo para o terceiro gol. Suarez apareceu bem na ponta direita e cruzou. O goleiro Josephs não conseguiu cortar, e Pereira, sozinho na pequena área, cabeceou para a rede. Foi o último lance do jogo. E o fim do jejum que já se arrastava por duas décadas.