Você está aqui Mundo Europa  

António Guterres toma posse como novo secretário-geral

Segunda, 12 Dezembro 2016  vanda de carvalho

António Guterres vai tomar posse esta Segunda-feira como secretário-geral da ONU, numa cerimónia em que Portugal estará representado pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e pelo primeiro-ministro, António Costa.

A cerimónia de juramento sobre a Carta das Nações Unidas tem início previsto para as 10h00 (17h00 de Lisboa) na sede da ONU, em Nova Iorque, perante representantes dos 193 estados-membros, antecedida por uma homenagem ao secretário-geral cessante, Ban Ki-moon.

Guterres, antigo primeiro-ministro de Portugal vai desempenhar funções de 2017 a 2021; o responsável foi alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados entre 2005 e 2015.

O secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, manifestou a 12 de Outubro, em Fátima, a sua satisfação pela nomeação do novo secretário-geral da ONU, elogiando o “percurso” do português.

“A nomeação de António Guterres é um motivo de satisfação”, disse o chefe da diplomacia da Santa Sé, em conferência de imprensa, antes do início das celebrações da peregrinação internacional de Outubro.

A Santa Sé tem estatuto de observador na ONU.

“Posso manifestar satisfação por esta nomeação, é uma pessoa que tem um grande trajecto, um grande percurso – sei que trabalhou aqui,  como político -, sobretudo como alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados”, assinalou D. Pietro Parolin, em resposta a uma questão da Agência ECCLESIA.

Na mesma altura, o Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa saudou a escolha do antigo primeiro-ministro “pela sua competência, pelas suas qualidades pessoais, assim como pela sua experiência internacional em causas humanitárias”.

O cardeal-patriarca de Lisboa também considerou muito “positiva” a eleição do português António Guterres sublinhando a competência do sucessor de Ban Ki-moon.

“Está mais do que demonstrada, nas várias missões que ele desempenhou, quer em Portugal quer no estrangeiro, concretamente com os refugiados, o problema-mor da actualidade internacional”, assinalou D. Manuel Clemente.

O arcebispo de Braga, por sua vez, falou numa "honra" para Portugal.

"É um grande momento de alegria, muito especial também pela amizade particular que nos une. E é também uma grande honra para o país, que talvez ajude a elevar o espírito dos portugueses", afirmou D. Jorge Ortiga.

O padre Vítor Melícias, que há décadas acompanha o responsável português, disse à Agência ECCLESIA que António Guterres, tem a “personalidade de que o mundo necessita”.

A eleição de Guterres foi “um momento de grande felicidade” para o sacerdote franciscano, que vê no sucessor de Ban Ki-moon alguém que “acredita num mundo melhor”.