Você está aqui Mundo Europa  

Demissão de Flynn é uma questão de política interna afirma Kremlin

Terça, 21 Fevereiro 2017  vanda de carvalho

Na Rússia, o Kremlin recusou-se a comentar a demissão de Michael Flynn, conselheiro norte-americano para a segurança nacional, afirmando tratar-se de uma questão de política interna.

Flynn demitiu-se na segunda-feira ao final do dia na sequência de revelações segundo as quais teria mantido conversações com o embaixador russo nos Estados Unidos antes de Trump assumir a presidência.

Flynn teria ainda enganado o vice-presidente Mike Pence relativamente ao teor das conversações.

A demissão de Flynn ocorreu após revelações segundo as quais o Departamento de Justiça teria alertado a Casa Branca há várias semanas de que Flynn poderia ser objecto de chantagem devido a contactos estabelecidos com o embaixador russo Sergey Kislyak antes de Trump assumir o poder a 20 de Janeiro.

Leonid Slutsky, membro do comité de relações exteriores da Duma, descreveu a demissão como “um sinal negativo” nas relações entre os dois países.

“Eu não afasto a possibilidade de Flynn voltar a aparecer de novo na administração norte-americana. Esta situação serve para criar a impressão entre os cidadãos e dentro da esfera política norte-americana de que a Rússia ainda é um opositor estratégico”, disse Slutsky.

Flynn foi um dos principais defensores de uma abordagem mais flexível ao nível das relações Estados Unidos/Rússia.

A demissão de Flynn marca a primeira demissão de peso no seio da administração Trump que se encontra em funções há 24 dias.