Você está aqui Mundo Europa  

Papa presta homenagem a vítimas do sismo de 2012

Segunda, 03 Abril 2017  vanda de carvalho

O Papa concluiu este Domingo a sua visita à região italiana de Emília-Romanha, atingida pelos sismos de 2012, com uma passagem pela Catedral de Mirandola, ainda fechada ao culto.

Francisco encontrou-se com as populações atingidas pelo terramoto, na praça que fica diante da Sé, após ter entrado na Catedral, ainda em obras, com um ramo de flores, que depositou junto ao altar, em memória dos que morreram.

“Nesta cidade, que ainda carta os visíveis sinais de uma provação tão dura, desejo abraçar-vos a vós e aos habitantes das outras localidades atingidas pelo terramoto de maio de 2012”, disse às centenas de pessoas que o acolheram.

O Papa recordou a visita de Bento XVI à região da Emília-Romanha, poucas semanas após o sismo.

A intervenção evocou a destruição do património humano e cultural da localidade, mas sobretudo as “feridas interiores”, o sofrimento de quem perdeu entes queridos ou de quem viu desaparecer os “sacrifícios de toda a vida”.

Francisco elogiou o “espírito de esperança” e a coragem com que estas populações superaram momentos de dificuldade, sem deixar de sublinhar a necessidade de prosseguir os trabalhos de reconstrução, particularmente nos "centros históricos":

“Diante da vossa catedral, lugar símbolo da fé e da tradição deste território, gravemente danificado pelo sismo, elevo convosco ao Senhor uma fervorosa oração pelas vítimas do terramoto, pelos seus familiares e pelos que ainda vivem em situações precárias”, declarou.

Depois de cumprimentar várias das pessoas presentes na Praça, o Papa seguiu para a paróquia de São Tiago de Roncole para uma homenagem às vítimas mortais, deixando uma coroa de flores junto ao monumento evocativo, com a ajuda de duas crianças.

Francisco começou a sua visita esta manhã na cidade de Carpi, situada na região italiana de Emília-Romanha, atingida há cinco anos por sismos que causaram 26 mortos e destruíram o centro histórico de Mirandola.

Após uma Missa que reuniu milhares de pessoas, na Praça dos Mártires, o Papa almoçou no Seminário Episcopal desta diocese com os bispos da região, sacerdotes idosos residentes na Casa do Clero e seminaristas, aos quais concedeu uma audiência, posteriormente, a que se juntaram outros sacerdotes e membros de institutos religiosos masculinos e femininos.