Você está aqui Mundo Americas  

Trump anuncia ataque em conjunto com França e Reino Unido na Síria

Sexta, 13 Abril 2018  vanda de carvalho

O presidente americano Donald Trump anunciou nesta sexta-feira que ordenou um ataque contra estabelecimentos de armas químicas na Síria, em resposta ao suposto ataque químico do dia 7 de Abril. O ataque é realizado em conjunto com a França e o Reino Unido.

“Ordenei as Forças Armadas dos Estados Unidos a lançar ataques precisos em alvos associados com estabelecimentos de armas químicas do ditador sírio Bashar al-Assad”, disse Trump em pronunciamento na Casa Branca.

Segundo o presidente, o uso de armas químicas na cidade de Duma foi uma escalada significativa. Ele classificou as acções como monstruosas.

“Esse massacre foi uma escalada significativa em um padrão de uso de armas químicas por aquele regime terrível. O mal e o ataque desprezível deixaram mães e pais, bebés e crianças se debatendo de dor e ofegando por ar. Essas não são acções de um homem. Elas são crimes de um monstro”, disparou.

“A resposta combinada americana, britânica e francesa responde a essas atrocidades integrará todos os instrumentos do nosso poder nacional: militar, econômico e diplomático”, acrescentou.

A acção conjunta foi confirmada pela primeira-ministra britânica Theresa May e pelo presidente francês Emmanuel Macron. “Autorizei as Forças Armadas britânicas a conduzir ataques coordenados para degradar a capacidade de armas químicas do regime sírio”, disse em comunicado.

Macron declarou que o ataque está “restrito a capacidades do regime sírio de armas químicas”.

“Esta noite, peço a todos os americanos que façam uma prece por nossos nobres guerreiros e nossos aliados enquanto eles cumprem suas missões. Rezamos para que Deus leve conforto aqueles que estão sofrendo na Síria”, disse Trump. 

A agência Reuters e testemunhas afirmam que diversas grandes explosões estão sendo ouvidas na capital Damasco, e colunas de fumaça sendo vistas na região.

Segundo a agência, o Observatório Sírio para Direitos Humanos (OSDH) afirmou que um centro de pesquisa científica e bases militares na cidade foram atingidos por ataques aéreos.