Você está aqui Religiosa Santa Sé  

É preciso abordar com “delicadeza” o sofrimento alheio, diz papa francisco na audiência geral

Quinta, 05 Janeiro 2017  vanda de carvalho

Na primeira audiência geral de 2017, o Papa saudando os presentes disse “quero contemplar convosco  uma figura de mulher que nos fala de esperança vivida no pranto.  A esperança vivida no pranto”.

Essa mulher é Raquel, esposa de Jacob e mãe de José. A história de Raquel que morre dando à luz o seu segundo filho, é usada pelo profeta Jeremias para consolar os israelitas em exílio, dando-lhes esperança. Raquel morreu para que o filho pudesse viver, mas o profeta apresenta-a como viva, em Rama, chorando pelos seus filhos que morreram a caminho do exílio, e por isso ela não quer ser consolada.

Esta recusa exprime a profundidade da sua dor e a amargura do seu pranto. Uma dor proporcional ao amor de uma mãe pelos filhos. Qualquer mãe sabe isso – afirmou o Papa, recordando que também hoje são muitas as mães que choram, que não se resignam pela perda de um filho. Raquel – disse - Raquel representa em si a dor de todas as mães do mundo, de todos os tempos, e as lágrimas de cada ser humano que chora devido a perdas irremediáveis.

Esta recusa de Raquel de ser consolada, ensina-nos que é preciso muita delicadeza perante a dor do outro – disse Francisco:

“Para falar de esperança a quem está desesperado, é preciso partilhar o seu desespero; para enxugar uma lágrima do rosto de quem sofre, é preciso unir o seu pranto ao nosso. Só assim as nossas palavras podem ser realmente capazes  de dar um pouco de esperança. E se não posso dizer palavras assim, com o pranto, com a dor, então, melhor o silêncio, o carinho, o gesto e nada de palavras”

E o texto de Geremias recorda que Deus responde a Raquel não com palavras artificiais, mas com a delicadeza do amor, dizendo-lhe para reter o seu pranto porque há esperança para a sua descendência. “Os teus filhos voltarão à sua terra”, ou seja, o povo no exílio poderá regressar e viver na fé e de forma livre a sua relação com Deus. Raquel que tinha morrido para que o filho pudesse viver, com o seu pranto, é agora o início de uma nova vida.

“As lágrimas geraram esperança. Não é fácil compreender isto, mas é verdade. Muitas vezes na nossa vida, as lágrimas semeiam esperança, são sementes de esperança”.

O texto do profeta Jeremias sobre o pranto de Raquel é retomado pelo Evangelista Mateus e aplicado ao massacre dos inocentes – continuou o Papa – chamando a atenção para “a tragédia do massacre de seres humanos de hoje indefesos, ao horror do poder que despreza e suprime a vida”. Não devemos esquecer que as crianças de Belém morreram devido a Jesus e que Cristo seria por sua vez morto inocentemente, para todos nós.

“O filho de Deus entrou na dor do homem. Não podemos nunca esquecer isto. Quando alguém se dirige a mim e me faz perguntas difíceis, por exemplo: “Diga-me Padre: porque sofrem as crianças?”, e eu não sei realmente o que responder. Digo apenas: “Olha para o Crucifixo: Deus deu-nos o seu Filho, Ele sofreu, e talvez possas encontrar ali a resposta”

Mas respostas racionais não há – afirmou o Papa indicando a cabeça. Só olhando para o amor de Deus que dá o seu Filho, Filho que morre por nós, se pode indicar algum caminho de consolação.

“E por isso dizemos que o Filho de Deus entrou na dor do homem; partilhou e acolheu a morte; a sua Palavra é definitivamente a palavra de consolação, porque nasce do pranto”.

Francisco concluiu frisando que é Jesus morrente na cruz que dá nova fecundidade à sua mãe, ao confiar-lhe o discípulo João e tornando-a a mãe de todos os crentes. A morte é vencida. A profecia de Jeremias concretiza-se. Tal como as lágrimas de Raquel, também as de Maria, geraram esperança e uma vida nova – rematou o Papa Bergoglio.

Depois da sua catequese, o Papa saudou em italiano os peregrinos presentes, para os quais a catequese foi resumidas em diversas línguas: francês, inglês, alemão, espanhol, português, árabe, e polaco. Eis a sua saudação em português:

“Com grande afecto, saúdo os peregrinos de língua portuguesa, e de modo particular os sacerdotes da diocese de Angra, desejando a cada um que sempre possa dar-se conta do dom maravilhoso que é pertencer à santa Mãe Igreja. Vele sobre o vosso caminho a Virgem Maria e vos ajude a ser sinal de confiança e esperança no meio dos vossos irmãos. Sobre vós e vossas famílias desça a Bênção de Deus.”

O Papa referiu-se também aos dramáticos factos ocorridos numa prisão do Brasil, com estas palavras:

Ontem chegaram do Brasil as notícias dramáticas do massacre ocorrido na prisão de Manaus, onde um violentíssimo recontro entre grupos rivais causou dezenas de mortos. Exprimo dor e preocupação pelo ocorrido. Convido a rezar pelos defuntos, pelos seus familiares, por todos os detidos daquela prisão e por quantos nela trabalham. E renovo o apelo a fim de que os institutos penitenciários sejam lugares de reeducação e reinserção social, e as condições de vida dos detidos sejam dignas de pessoas humanas.”