Você está aqui Religiosa Santa Sé  

Papa Francisco saúda comunidades Neo Catecumenais Angolanas presentes na oração Angelus

Domingo, 19 Março 2017  vanda de carvalho

Na oração mariana do Ângelus, o Papa assegurou a sua proximidade à cara população do Peru, duramente atingida por devastadores aluviões. Rezo pelas vítimas – disse e por quanto estão empenhados a prestar socorro”.

Francisco não deixou de saudar de forma cordial a todos os peregrinos presentes, assinalando de modo particular as Comunidades Neo-Catecumenais vindas de Angola.

Neste IIIº Domingo, 19 de Março de 2017, Festa de São José, esposo de Nossa Senhora, padroeiro da Igreja universal. Dia, normalmente,  festivo no Vaticano e que marca o 4º aniversário do início do Pontificado do Papa Francisco.

Na reflexão do dia o Santo Padre comentou o Evangelho que nos apresenta o diálogo de Jesus com a samaritana; um diálogo ocorrido em Samaria, região entre Judeia e a Galileia, habitada por pessoas que os Judeus desprezavam porque as consideravam cismáticas e heréticas. Mas – sublinhou o Papa – foi precisamente essa população a primeira a aderir às pregações cristãs dos Apóstolos.

Jesus pára junto dum poço, onde a samaritana foi buscar água e pede-lhe água para Ele beber. A samaritana fica surpreendida que um judeu peça algo a uma samaritana. E Jesus responde-lhe que se ela soubesse quem é Ele, seria ela a pedir-Lhe algo e Ele dar-lhe-ia a “água viva”, a água que sacia todas as sedes e se torna fonte inexaurível de vida no coração de quem a bebe.

Quando a Samaritana se dá conta de que está perante um profeta, confia-lhe a própria vida e lhe faz perguntas de caracter religioso. A sua sede de afecto e de vida plena não foi saciada pelos cinco maridos que tinha tido. Antes pelo contrário: tinha passado por enganos e desilusões. Por isso, fica surpreendia com respeito que Jesus mostra em relação a ela e por lhe falar de verdadeira fé. Ela intui, então, que poderia estar perante o Messias, e Jesus confirma-lhe de facto isso: Sou eu, que falo contigo”.  

O Papa faz notar como Jesus diz ser o Messias a uma mulher que tinha a vida tão desordenada, e prossegue dizendo que, pelo nosso Baptismo, Deus nos transformou e nos encheu de graça. Mas talvez tenhamos esquecido desse grande dom ou o tenhamos reduzido a um mero dado anagráfico. E andamos talvez à procura de poços que não matam a verdadeira sede.

Então este Evangelho é precisamente para nós. Não só para a samaritana. Para nós! Jesus nos fala como à samaritana. Certo, nós já O conhecemos, mas talvez não O tenhamos ainda encontrado pessoalmente, falando com Ele e não O reconhecemos ainda como nosso Salvador.

Este tempo de Quaresma é uma boa ocasião para nos aproximar-mos d’Ele, encontra-Lo na oração e no diálogo coração a coração, falar com Ele, escutá-Lo, ver o seu rosto no rosto de um irmão ou de uma irmã que sofre”.

Deste modo  - disse ainda o Papa – "podemos renovar em nós a graça do Baptismo, matar a nossa sede na fonte da Palavra de Deus e do seu Santo Espírito e descobrir a alegria de se tornar artífices de reconciliação e instrumentos de paz na vida quotidiana."

Francisco concluiu invocando de Nossa Senhora a ajuda para acedermos constantemente à graça que brota da rocha que é Cristo Salvador, a fim de que possamos professar com convicção a nossa fé e anunciar, com alegria, as maravilhas do amor de Deus, misericordioso e fonte de todos os bens.